3 de julho de 2008

A maior festa das férias de Aracaju!!!

Nos sábados de julho

Para quem gosta de boa música e boas curtições, um EXCELENTE programa:

A maior festa das férias de Aracaju!!!



Será na Live, em Aracaju/SE.
Dia 05/07 Noite Mix
*A Fábrica
* Maria Scombona*
The Baggios

E ainda:
* Mulher até às 23hs não paga.
* Os 100 primeiros ingressos ganham uma dose de Smirnoff Black ou Johnnie Walk Red.
* Pacote Promocional para os 05 dias.
PREPAREM-SE:
SMIRNOFF ICE DOBRADA A NOITE TODA!!!
PATROCINADOR OFICIAL E INGRESSOS (R$ 15,00) À VENDA:
PORTO BEBIDAS
Rua Deputado Carvalho Déda, 662
Ao lado do Bradesco da Francisco Porto
Contatos: 79 8828-6596
INFORMAÇÕES SOBRE AS BANDAS:
A FÁBRICA





O sergipano Henrique Teles é uma pessoa interessante, uma espécie de "brincante" que encontramos na literatura nordestina, como nos livros de cordel ou em qualquer outra literatura cheia de magia que povoam nossas estantes. Circense, teatral, polivalente, imagem e som em arte. Com uma óbvia regionalidade nordestina, mas essencialmente moderno e cosmopolita. Da sua postura e vida artistica se fez um excelente compositor, tendo como resultado o Maria Scombona (que no linguajar sergipano significa "pirueta", "cambalhota").Nós já vimos essa história antes, não se trata da originalidade, mas de um contexto marcante chamado personalidade. Nascido e criado numa família de artistas e músicos, sua vida não poderia seguir outro curso. São quase vinte anos moldando essa manifestação sonora alicerçada de dois pontos: o universalismo de suas influencias e seu lirismo personal. Nessa formação são explícitas as influencias de pioneiros compositores nordestinos como Alceu Valença, Ednardo e Zé Ramalho; o folclore de artistas populares e a cosmofagia do estrangeiro de caráter rock.Entretanto o verbo não se faz sem corpo. Teles é completo quando definiu a formação ideal do Maria Scombona - enxuta, ágil e expansiva - com o excelente baterista Rafael Junior (também da banda Snooze), o estilo jazzy e rock do guitarrista Saulo Ferreira e a eficiência preciosa do baixista Robson; além de agregar outras feras locais nesse seu segundo trabalho "Mais de um Nós" - incluindo o destaque da participação de Silvio, vocalista da lenda punk aracajuense Karne Kura, na faixa-interativa acustica-blues-embolada "A Saga".Cada faixa de "Mais de um Nós", mais recente disco com 11 músicas e uma faixa interativa, destrincha seus microcosmos, seja enveredando pela música negra (rock, blues e soul music), seja pela a naturalidade nordestina (sotaque, costumes, lirismo) e a brasilidade impregnada de modernidade "mpbistica". É um disco pop porque transita muito bem sobre cada nicho com propriedade, por mais perigoso que a colocação possa ser. E sutilmente conceitual: em cada música/letra estão embutidas suas reflexões sobre quem ele é, de onde veio e como vê o mundo, bem confessional. Basta prestar atenção na abertura com "A repórter", onde fala com humor e sarcasmo sobre a indiferença de ser nordestino; ou no espírito universal quando diz "Eu não quero parecer com você/ Eu não quero parecer com ninguém/Eu quero olhar no meu espelho/E ver que tem uma cara pra se ver" sentenciado no peso de "Cara de Coco". Talvez Teles e sua Maria Scombona tenham adquirido a madureza que tanto se cobra de compositores múltiplos como ele, nesse expediente, basta verificar em faixas como o folk-nordestino-setentista "Contemplário 79", a melhor faixa do disco; ou de um estilizado tango em "Retos versos" ou enveredando pelo tradicionalismo MPB com sotaque nordestino no balanço de "Trança" e no funky-jazzy "Pra não desvairar".Num registro fonográfico de uma banda, geralmente somos educados a ouvir destaques por partes ou seções, a performance de um instrumentista ou a exagerada idiossincrasia do letrista ou o carismático vocalista, etc... O que acontece neste álbum é a certeza singela da audição de um trabalho unificado no bem preciso do equilíbrio entre letras, melodias, harmonias e destacados arranjos, quase como uma fórmula perfeita de se fazer som. Ousaria compará-los a uma versão tupiniquim e mais humilde do lendário grupo canadense The Band. Em suma, aqui temos um disco bem produzido, com quarenta minutos de duração num pack gráfico de primeira, feito para ser apreciado calmamente em tempos de urgência. E ainda, democraticamente, pode ser baixado na integra no site da banda!





Na cidade histórica de São Cristóvão, a banda The Baggios foi formada por dois amigos de infância, Lucas Goo na bateria e Julio Andrade na guitarra e voz. O nome da banda surgiu mais para homenagear um pirado da cidade, musico que vivia da forma mais hiponga possível, com vesti único e estórias surreais a contar em cada esquina. A formação original durou ate março de 2006, onde, por motivos casuais (estudo na Suíça), Lucas teve que deixar a banda. Com isso Elvis assume a bateria, um grande amigo ate então, dando novas idéias e continuidade a banda.
O som da banda tem como intuito misturar ritmos como o Blues e o Rock, como influencias pode-se citar: Jimi hendrix, Muddy Waters, Robert Johnson, The Black Keys, The White Stripes, The Jon Spencer Blues Explosion. The baggios surgiu pra da continuidade um sonho não alcançado por um cara simples e com idéias próprios e livres de quaisquer padrões, é a própria filosofia de vida, acreditamos que cada um possa ser diferente em sua postura trazendo consigo uma alegria, energia positiva e pacífica para o meio onde habita.

texto no site Myspace: http://profile.myspace.com/index.cfm?fuseaction=user.viewprofile&friendid=133279301



The Baggios


Por Rian Santos - Colunista do Jornal do Dia

Embebidos nas águas turvas e viciadas da música negra, os acordes envenenados dos garotos da The Baggios misturam ritmos tradicionais, como o blues e o black, ao velho rockão, numa clara demonstração de que a energia da juventude pode ser conjugada a cultura musical de primeira ordem.


A banda nasceu ainda em 2004, quando o marasmo da histórica São Cristóvão obrigou o guitarrista Júlio Dodge a tirar de seis cordas enferrujadas a energia alimentada pelos discos de Jimi Hendrix, Cream, Led Zeppelin, Muddy Waters e Robert Johnson, entre tantos outros fantasmas que assombravam a cabeça daquele menino talentoso, que pretendia ser reconhecido e pagar as próprias contas fazendo música.

Julico, como é conhecido pelos amigos, foi beber água lá Mississipi, mas não esqueceu de casa. Assim é que batizou a banda com o nome do cara mais pirado de sua cidade. Em Baggio, tudo era peculiar. O músico vivia da forma mais hiponga possível, com roupas esquisitas em cima dos ossos e estórias surreais o fundo da cachola.

Para o jornalista Diego Oliveira, diretor do documentário “Baggio Sedado”, que relaciona a produção musical da banda e a biografia do personagem que a inspirou, a história não podia dar em outra coisa. “A The Baggios tem a embalagem pronta para quem almeja galgar espaços no mainstream: identidade própria, discurso totalmente enraizado com as questões de sua época e de sua gente, um frontman alucinado e talentoso, e letras que falam diretamente ao público, sem meios termos. Isso, em Sergipe, é coisa rara”.



==

o TEIMONDE SCOTCH BAR

apresenta:

"ARACAJOUBERT: ESTA NOITE IMPROVISAMOS"


Joubert Moraes inicia nesta sexta (04/07) sua temporada no Teimonde com o projeto "Aracajoubert. Esta noite improvisamos". Um passeio pela MPB e por músicas de sua autoria, na companhia da gaita de Júlio Rêgo, da percussão de Dudu Prudente e de eventuais amigos como Pantera (violão), Denise Aragão (flauta), Alexandre (trompete), Aroldo (sax e clarinete), Marcus Vinícius (guitarra) e quem mais chegar.

Todas as sextas, 22h, no Teimonde Scotch Bar (Passarela do caranguejo).

==

Centro Comercial Palmae
apresenta:


'MPB ao vivo'

Érica Fernanda

sexta-feira dia 04 de Julho as 18h00
no Hall do Palmae / Casa Alemã, à Av Heráclito Rollemberg, 1800
VISITE O SITE!!! http://www.serpafcasaejardim.com.br/


e

POESIA


de Marcelinho Hora




Imagem

Registro
Angústia... Caos... Fuga!
O tempo parece escorrer pelas mãos...
E num piscar de olhos
Tudo muda ao meu redor
Desordem
Transformação
Vontade... Experimento... Criação
Brincar de Deus e reinventar momentos...
Mistério... Busca... Intimidade...Viver mil dramas e seguir sem parar pra olhar pra trás
Vício... Arma... Encontro
Controlar o incontrolável
Dádiva... Luz... Captura...
Improvisar e criar novos mundos
Viver... Transbordar... Extravasar
Momentos
Intensos
Coloridos
Monocromáticos
Envelhecidos
Eternos

do seu site: http://www.marcelinhohora.com.br/
Acesse também: BLOG: http://marcelinhohora.blogspot.com/
e no site FLICKR, fotos SENSACIONAIS!!!: http://www.flickr.com/marcelinho/

Nenhum comentário:

Postar um comentário