16 de outubro de 2008

agenda cultural em Aracaju, de 16 a 28 de outubro

Saudações!!!

Repassando informações culturais...

na ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA:

pintura, fotografia, música, literatura e poesia da CASA do poeta em Aracaju



e

Irmão & Tonho Baixinho no Teatro Lourival Baptista + um convidado.
todas as quintas de outubro, no Teatro Lourival Baptista.



S U M Á R I O

1 - Teatro do oprimido, no Gonzagão

2 - Lu Muniz e convidados cantam:

NOEL, CARTOLA, ELIS, GONZAGUINHA


3 - Reunião da Sociedade Amigos da Biblioteca Epifânio Dórea


4 - Rua da Cultura, Mercado Municipal de Aracaju, Centro, segundas e sextas... com SAMBA!!!

5- CORDEL 'A saga dos Guerreiros Tupinambás',


à venda na ESCARIZ

DE
Chiquinho do Além Mar


6 - Sardana & Zenóbio Alfano: vinho, JAZZ, Boêmia dobrada* BOSSA NOVA, SAMBA JAZZ e uma EXCELENTE Cozinha italiana!!!





7 - AGENDA do CHORO

8 - Domingo no Parque: ORSSE na Sementeira

9 - Comemoração ao Dia da Sergipanidade, no TTB com a ORSSE (25 e 26.10)

9 - Dueto Cultural, no EMES, com


dia 31.10
Teatro Mágico

&
Naurêa


+

dia 01.11


Arnaldo Antunes
&
Maria Scombona

9 - OSESP no Teatro Tobias Barreto, dia 05.11.2008

10 -


11 - Poesia, Clarice Lispector


aguardem o
a

A G E N D A



quinta-feira, 16.10

Irmão & Tonho Baixinho no Teatro Lourival Baptista + um convidado.


===


a partir das quintas-feiras, Aracaju tem uma


AGENDA DO CHORO



CHORINHO no GULA&CIA

segue a composição do grupo de choro que está tocando todas as quintas-feiras no Gula&Cia:

localizada dentro do posto GAZOL da Av Chanceler Osvaldo Aranha (logo após a ultragaz no sentido de quem está saindo da cidade).

A nossa proposta é a de desenvolver um ponto de encontro de músicos e amantes da boa música.

Dentro em breve teremos um dia de jazz na nossa programação.



Rivaldo (Tabareu) ........... Violão de 6 e 7 cordas
Edson ............................ Banjo e Trompete
Patrocinio ....................... Sax tenor
Paulo A. .......................... Sax tenor
Maestro Francisco ........... Trombone e Sax soprano
Silvino ........................... Flauta
Santos ........................... Pandeiro
Junior ............................ Percursão




contatos: Paulo Amaral,
79 8102-6826 --


===





17.10, sexta-feira



Cantinho da Boemia (Vieira 7 cordas)

às sextas- feiras, a partir das 20h30 Av. João Ribeiro,1416 - Bairro Santo Antonio, próximo à subida da ladeira.

AGUARDEM, dia 16 de novembro tem aniversário no


Cantinho da Boemia


==


Chorinho do Inácio

aos sábados, a partir das 16h00 e domingos, a partir das 14h00 Rua Canadá, 343 - B. Novo Paraíso (é uma transversal da Rua Rio Grande do Sul).


==

No Parque da Cidade - Recanto do Chorinho


Todos os domingos a partir das 19:00, show com a Banda do Chorinho. E todos os sábados a partir das 13:00,


Tarde no Parque com
a Banda do Chorinho.

Egnaldo - Bandolim e voz e percussão
Souza Cavaquinho
Saul Violão
Dão violão
Rivaldo & Nancy - voz

http://recantodochorinho.50webs.com/index.htm


sábado a partir das 13h00

domingo,
a partir das 17h00



O telefone de contato do Recanto do Chorinho é

8135-2330
===


OUVIR NAS RÁDIOS

Na rádio APERIPÊ,

AM - Programa Domingo no Clube,

apresentado por Sérgio Thadeu, o programa, criado por seu pai há quase 22 anos, é uma verdadeira celebração ao Choro, buscando sempre apresentar novidades ou resgatar clássicos do fundo do baú। Um verdadeiro banquete pra quem gosta do ótimo Choro! Vai ao ar todos os domingos das 7 às 9h00।contato: domingonoclube@gmail.com
==

FM, Programa Choros e Canções,

apresentado por Ricardo Gama, o programa choros e canções vai ao ar na Aperipê FM sempre às 18h, de segunda à sexta। contato: chorosecancoes@aperipe.se.gov.br





===


MERCADO DO SAMBA

O NOVO PROJETO DA RUA DA CULTURA TODAS AS SEXTAS FEIRAS A PARTIR DAS 18h NO MERCADO MUNICIPAL

NO MESMO LUGAR DA RUA DA CULTURA.

VENHA PRESTIGIAR O MELHOR DO SAMBA FEITO EM SERGIPE.
DE GRAÇA!!!


===


MOSTRA ESTADUAL DE
TEATRO DO OPRIMIDO


NESSA SEXTA E SABADO A PARTIR DAS 19h
DIAS 17 E 18 DE OUTUBRO
NO GONZAGÃO


UMA EXPOSIÇÃO COLORIDA, DIVERTIDA E REFLETIDA DA ESTÉTICA DO OPRIMIDO. PARTICIPE CONOSCO E VOCÊ PODERÁ INTERVIR NA CENA E SE TORNAR O ARTISTA PRINCIPAL.


PATROCIONIO: PETROBRÁS

APOIO:
SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA/ GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE

MAIS INFORMAÇÕES:
http://consorciocultural.blogspot.com




ENTRADA GRATUITA!!!

===


sábado, 18.10



domingo, 19.10

DOMINGO no PARQUE

A Orquestra Sinfônica de Sergipe se apresenta na Parque da Sementeira, às 17h00.


GRÁTIS!!!


segunda-feira, 20.10


reunião da SABED,

Às 18h30, na Biblioteca Epifânio Dórea







===
tem

RUA DA CULTURA


===


Programação para o Folder do Concerto:

"Saudação" é uma peça composta pelo compositor Amaral Vieira para o aniversário de 25 anos da rádio paulista Cultura FM, cuja programação é inteiramente dedicada à difusão de todas as vertentes da música clássica. O compositor é ainda apresentador da emissora há muitos anos, realizando semanalmente programa inteiramente dedicado à música sacra: Laudate Dominum.


Camille Saint-Saëns (1835-1921)

O "Concerto nº 2 para Piano e Orquestra em sol menor" foi composto em 1868 e é talvez o concerto mais popular deste compositor. Foi estreado com o próprio Saint-Saëns ao piano, sob a regência de Anton Rubinstein, e não teve, ao início, muito sucesso. As caprichosas alterações de estilo receberam o provocante comentário de Zygmunt Stojowski, no qual sustenta que o concerto “começa com Bach e termina com Offenbach”. O concerto se inicia com um solo pianístico executando uma fantasia no estilo de Bach. Após a entrada da orquestra, o melancólico primeiro tema é tocado, novamente pelo piano. O segundo movimento, ao contrário do típico adágio, remonta-nos ao Scherzo, cuja característica brilhante e delicada recorda-nos o famoso Carnaval dos Animais. O concerto se conclui, no terceiro movimento, com um retorno para a tonalidade inicial de sol menor, em movimento rápido, como uma tarantela. O diálogo intenso entre solista e orquestra culmina em repetidos e arrebatadores arpejos da tonalidade inicial. Amaral Vieira completa 4 anos tocando com a ORSSE e promete emocionar a platéia.


Piotr Ilitch Tchaikovsky
A Quarta Sinfonia: O estranho relacionamento entre Tchaikovsky e Nadezhda von Meck produziu mais de mil cartas e a Sinfonia N° 4 em Fá menor, Op. 36, dedicada “Ao meu melhor amigo” – a própria viúva. Numa carta de 1878, Piotr Ilyich explicou cuidadosamente o “programa” da música – aquilo que ele pretende “narrar”. Ouvir a Quarta com as indicações de Tchaikovsky em mente pode ser um consolo nos dias em que o Universo parece conspirar contra você.Sobre o primeiro movimento o compositor escreveu a Nadia: “A introdução é o núcleo de toda a sinfonia e, sem dúvida, sua idéia principal. Ela é o fatum, aquela força do destino que nos impede de lutar com sucesso por nossa felicidade, que vela com ciúme para que nunca o contentamento e a paz sejam completos e sem nuvens, que paira sobre nossas cabeças qual espada de Dâmocles, envenenando nossas almas sem parar...“Não há porto”, escreveu Tchaikovsky: “Somos batidos pelas ondas de um lado para o outro até o mar nos tragar”. As “tempestades” orquestrais são típicas do compositor, com instrumentação vibrante, colorida, de alto impacto. Depois de cada furacão vem o motivo “consolador” nas madeiras (fagotes, clarinetas, flautas e oboés). O segundo movimento é uma pausa para meditação. Descreve “o sentimento de melancolia que te envolve à tardinha, quando você se senta só e fatigado... Surge um mundo de memórias, e você se sente triste porque muita coisa já passou”. Todos os tipos de momentos felizes passam pela mente, mas também aqueles de abatimento.Como Tchaikovsky definiu: “o terceiro movimento não exprime sensações definidas”, mas visões extravagantes, exóticas, incoerentes, estimuladas por algumas taças de vinho. O movimento é um pizzicatto ostinato (beliscado obstinado): as cordas – violinos, violas, violoncelos e baixos – são beliscadas com o dedo ao invés de tocadas com o arco. Quando os baixos entrarem...O quarto movimento é uma música tipicamente russa orquestrada para uma “banda” volumosa, histérica e desesperada: “se você não pode descobrir em si mesmo razões para ser feliz, olhe para os outros. Saia e misture-se com o povo... Aprenda a extrair felicidade da alegria dos outros”.

Gravação recomendada:Experimente a furiosa versão de Herbert von Karajan com a Filarmônica de Berlim. O álbum é duplo e traz interpretações espetaculares das Sinfonias 5 e 6.
Amaral Vieira______Nascido em São Paulo em 1952, é um dos mais versáteis e completos músicos brasileiros de sua geração.

Após estudos musicais no Brasil com Souza Lima e Artur Hartmann, ingressou no Conservatoire Supérieur de Musique de Paris onde foi orientado por Lucette Descaves e Olivier Messiaen. Diplomado pela Faculdade Superior de Música de Freiburg, Alemanha, foi convidado pelo British Council a aperfeiçoar seus conhecimentos em Londres com Louis Kentner, que foi discípulo de um aluno pessoal de Liszt.Suas realizações fonográficas, como compositor e/ou como intérprete, contam com 114 títulos (editados em LPs, Cassetes e CDs), apresentando um vasto repertório, com ênfase especial para Liszt, e suas próprias composições, que ultrapassam 500 obras. Essas gravações estão sendo distribuídas no Brasil, Europa, Japão e Estados Unidos.Recebeu inúmeras distinções: 10 prêmios como pianista, 17 como compositor e mais de 50 distinções em reconhecimento ao seu trabalho artístico no Brasil, França, Alemanha, Inglaterra, Hungria e Japão.Ocupou a Presidência da Sociedade Brasileira de Musicologia no triênio 1993/1995; em 1998 o compositor tomou posse da Presidência da Sociedade Brasileira de Música Contemporânea, tendo terminado seu mandato em dezembro de 2001. Foi Presidente da Fundação Conservatório Dramático e Musical de São Paulo de 2001 a 2008.É responsável desde 1988 pelo programa de música sacra Laudate Dominum que vai ao ar todos os domingos (com reprise às quintas-feiras) na Cultura FM de São Paulo e também aos domingos na Rádio Sodré de Montevidéu (Uruguai).

Suas tournées de concertos incluíram, afora o Brasil, quase todos os países da Europa, América do Sul, Oriente Médio, China e Japão.Em março/abril de 2008 fez sua oitava tournée no Japão, com 24 concertos, chegando assim, somente naquele país, desde 1994, ao espantoso marco de 250 concertos em mais de 200 cidades.No mês de julho de 2008, o pianista foi agraciado com o prêmio “2008 Golden Laurel Award”, outorgado pela “The Delian Society” pelo conjunto de sua obra. É a primeira vez que esta distinção é conferida a um compositor brasileiro. O prêmio é concedido uma vez ao ano a um único compositor vivo do mundo inteiro, entre os indicados por membros da sociedade e, a escolha final, ratificada por uma comissão internacional.Amaral Vieira é um artista credenciado pela mais prestigiosa marca de pianos do mundo, Steinway and Sons.

(2008)Amaral Vieira______Rua Tefé, 31 – 01251-050 São Paulo SPtelefax.: (11) 3673-0321

thesaurus@terra.com.br / lauracintra@terra.com.br / secretaria@amaralvieira.com.br

Teatro Tobias Barreto
25 de outubro, 20h30
Ingressos R$ 5,00 e R$ 2,00
Bilheteria aberta das 13h às 20h - 79 3179 1496
Administração 79 3179 1480
Parque da Sementeira
26 de outubro, 16h
Entrada Franca
Comemoração ao Dia da Sergipanidade

===


dia 28.10, TERÇA-FEIRA, começa a

III FEIRA DO LIVRO DE SERGIPE
A palavra guarda o mundo



VEJA ARTIGO NO Overmundo
http://www.overmundo.com.br/agenda/iii-feira-do-livro-de-sergipe-resumo-do-evento

A III Feira do Livro de Sergipe será realizada de 28 de outubro a 2 de novembro de 2008, das 10 às 21 horas, na Biblioteca Pública Epifânio Dória.

O evento, uma realização da Nossa Escola e do Governo do Estado de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Cultura, é aberto a todo o público e tem como objetivo fomentar o cultivo da leitura e da produção literária em nosso estado, responsabilidade social abraçada por um número cada vez maior de cidadãos.

Diversos autores sergipanos participarão desse banquete literário, revelando a riqueza de produção realizada em nosso estado. Entre esses autores, membros da Academia Sergipana de Letras e do Conselho Estadual de Cultura.

A Feira também receberá personalidades de outros estados, a exemplo dos seguintes nomes:
1) JESSIER QUIRINO (PB) – “poeta por vocação, maturo por convicção”, esse arquiteto domina a arte de manter seu ouvinte ou leitor preso ao ambiente de sua palavra, sem nenhum gosto de sair dali.
2) LAURENTINO GOMES (SP) – autor de “1808”, um dos vencedores do Prêmio Jabuti 2008 com uma obra que revela “a invenção do Brasil” a partir da vinda da família real portuguesa para o Rio.
3) PAULO SCHETTINO (SP), doutor em Comunicação e cineasta, coordenou o recém-premiado (no Brasil e em Portugal) documentário Ora (direis) ouvir estrelas, baseado em Clarice Lispector.
4) IEDA DE OLIVEIRA (RJ) – doutora em Letras pela USP e especialista em Literatura Infantil pela UFRJ. Escritora e compositora agraciada com prêmios nacionais e internacionais.
5) “HOMEM-LIVRO” (RJ) – sergipano, fundador da Biblioteca Comunitária Tobias Barreto (RJ) além de quase 40 bibliotecas pelo país, o ex-pedreiro Evando dos Santos, que foi premiado pela Academia Brasileira de Letras, tem o objetivo simples de convencer o mundo da importância da leitura para o cidadão.
6) GUSTAVO MUNIZ (MG) – sergipano, o advogado contador de histórias encanta crianças e adultos por onde passa.
7) CRISPINIANO NETO (RN) – “engenheiro agrônomo, advogado, jornalista e finalmente, violeiro, repentista e escritor de cordel”, é membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel.
8) VALDECK ALMEIDA (BA) – criador do Prêmio Valdeck Almeida de Jesus, o escritor estimula a produção literária no país.
9) THIAGO MARTINS PRADO (BA) – a mais recente publicação desse sergipano trata da composição do poeta também sergipano Mário Jorge.
10) ANTÔNIO BARRETO (BA) – professor, poeta com mais de 60 folhetos de cordel já publicados, traz, do sertão para o asfalto, a leveza de uma palavra cheia de melodia.

O público visitante participará de variada programação:
• Projeto Livro Vivo: parceria com a Editora Paulus – distribuição de 35.000 livros a alunos de escolas públicas
• Sessão conjunta da Academia Sergipana de Letras e Conselho de Cultura
• Conferências
• Mesas-redondas
• Lançamentos de livros
• Contação de histórias
• Saraus de poesia
• Hora do Cordel
• Audições musicais
• De estudante para estudante: bandas e outras produções
• Teatro
• Exposições de arte: Tobias Barreto, João Ribeiro, Sílvio Romero e
Nação HQ (Histórias em Quadrinhos)
• Desafio para desenhistas (Nação HQ)
• Cinema na feira
• Encontros lúdicos com personagens da literatura
• Oficinas
• Sala da palavra – Chico Dantas
• Exposição e venda de livros

===

Dueto Cultural





dia 31.10

Teatro Mágico
&
Naurêa


+

dia 01.11


Arnaldo Antunes
&
Maria Scombona

O Dueto Cultural é um evento especial que, como o próprio nome sugere, acontecerá com shows de um artista de renome local e um nacional.



O show acontecerá no Espaço EMES no dia 01/11 - Arnaldo Antunes (Ex-Titãs) e banda sergipana Maria Scombona (SE). Também teremos DJ's e as bandas Capitão Parafina e os Haoles (BA) animando a festa.




Os ingressos estarão sendo vendidos a partir do dia 13/10 no stand situado no Shopping Jardins (próximo a loja Centauro).


===







Preço: Individual: R$ 20,00 e R$ 30,00 p/ dois dias (1º Lote). Camarote: R$ 30,00 e R$ 50,00 p/ dois dias (1º Lote).


Venda de Ingressos: Stand próximo à loja Centauro no Shpping Jardins


===


ARACAJU RECEBERÁ A OSESP


ORQUESTRA SINFÔNICA DE SÃO PAULO



Sob a direção artística de John Neschling, Orquestra fará 16 apresentações em 12 cidades do país, incluindo Aracaju



É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.Em 2004 - ano em que completou seu cinqüentenário -, a Osesp fez sua primeira grande turnê por 14 capitais brasileiras. Em 2008, após uma segunda turnê norte-americana e uma passagem extremamente bem sucedida por oito países europeus, a orquestra paulista retorna aos palcos de algumas das principais cidades brasileiras para sua Turnê Brasil 2008.



Entre os dias 1º e 19 de novembro, serão realizadas 16 apresentações, incluindo concertos abertos em praças ou parques, que cruzarão as cinco regiões do país. O roteiro conta ainda com espetáculos em teatros com formações sinfônicas e de câmara. Em Aracaju o concerto acontecerá dia 05 de novembro, às 21h, no Teatro Tobias Barreto.



Para o maestro John Neschling, é imprescindível que uma orquestra do porte da Osesp, que viaja constantemente, não só para o exterior e pelo interior do seu estado, leve sua música também ao público das demais capitais do país. “Nestes últimos anos, tocamos em três continentes em algumas das mais prestigiosas salas de concertos do mundo. Entretanto, a nossa incursão pelo País firmou-se como a mais feliz de todas as nossas turnês. Estamos convencidos de que tocar pelo nosso extenso território é, no mínimo, tão fundamental quanto nos apresentarmos nas importantes capitais européias e metrópoles norte-americanas.”



Com base no imenso sucesso que nossos concertos ao ar livre tiveram durante o projeto Osesp Itinerante, que percorreu diversas cidades do interior de São Paulo, resolveu-se incluir no roteiro, além dos concertos nos belíssimos teatros, uma série de espetáculos em praças e parques em algumas das capitais visitadas. Nestes concertos, uma platéia muito mais ampla, poderá, gratuitamente, desfrutar de programas sinfônicos de grande qualidade e beleza. E, nos concertos da orquestra em formação de câmara, espera-se um contato mais íntimo com o público.



No roteiro, a Osesp contemplou duas cidades que não tiveram a oportunidade de receber a orquestra em anos anteriores: Olinda e São Luís. Além disso, um grande concerto na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, em pleno dia 15 de novembro, marcará as comemorações pela Proclamação da República.



Regente



John Neschling – regente –Nasceu no Rio de Janeiro em 1947. Seguiu a vocação para regência com Hans Swarowsky, em Viena, e com Leonard Bernstein, em Tanglewood. Dentre os concursos internacionais de regência que venceu, destacam-se os de Florença (1969), da Sinfônica de Londres (1972) e do La Scala (1976). No Brasil, assumiu a direção dos teatros municipais de São Paulo e do Rio de Janeiro e na Europa, foi diretor artístico do Teatro São Carlos (Lisboa), do Teatro de Sankt Gallen (Suíça), do Teatro Massimo (Palermo) e da Ópera de Bordeaux, além de ter sido regente residente na Ópera de Viena. Em 1996, na Ópera de Washington, conduziu Il Guarany, com Plácido Domingo no papel de Peri. À frente da Osesp desde 1997, somou importantes conquistas e fez turnês pela América Latina, Estados Unidos, Europa e por todo Brasil. Nas últimas duas temporadas, regeu diversas orquestras, como: Sinfônica da RAI de Turim, Orquestra Nacional da Bélgica, Orchestre de la Suisse Romande, Orquestra da Rádio Nacional Polonesa, etc. Dedica-se também à composição para cinema e teatro, sendo o autor das trilhas dos filmes Pixote, O Beijo da Mulher-Aranha, Lúcio Flávio – o Passageiro da Agonia, Gaijin, Os Condenados, Desmundo e da minissérie Os Maias.



Solistas


Sérgio Burgani - clarinete


Paulista de São Bernardo do Campo, foi aluno de Rafael Gallardo Caro na Escola Municipal de Música de São Paulo. Continuou os estudos com o professor José Máximo Ribeiro e concluiu bacharelado na Faculdade Carlos Gomes de São Paulo. Freqüentou cursos de aperfeiçoamento no Brasil com Leonardo Righi, Luiz Gonzaga Carneiro, Herbert Blayman, William McCall, Guy Deplus (França) e com Francesco Belli (Itália). Premiado em vários concursos nacionais, entre eles o Jovens Solistas de Piracicaba, o Jovens Intérpretes da Música Brasileira (Rio de Janeiro), o Sul América - Jovens Concertistas Brasileiros, o II Prêmio Eldorado de Música, o I Concurso Jovens Solistas EPTV - MG e o VIII Prêmio Eldorado de Música, neste como integrante do grupo Sujeito a Guincho. Apresentou-se por todo o Brasil em duo com piano, como integrante de grupos de câmara e como solista com diversas orquestras do Brasil.


Destacou-se na apresentação do Ciclo Brahms, ao lado de Antonio Meneses, Gilberto Tinetti, José Feghali, Paulo Gori e do Quinteto de Cordas Bela Bartók, executando grande parte do repertório de câmara para clarinete.


Professor no Instituto de Artes da Unesp –Universidade Estadual Paulista–, desenvolve intenso trabalho com o Sujeito a Guincho, cujo primeiro CD obteve o Prêmio Sharp de Música em 1996.


Cláudio Cruz - violino


Iniciou-se ao violino com seu pai, o luthier João Cruz. Posteriormente, recebeu orientação de Erich Lehninger, Olivier Toni, Joseph Gingold, Chaim Taub e, nos EUA, de Kenneth Goldsmith. Vencedor de diversos concursos no Brasil, foi premiado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte –APCA– em 1985 e 1997; recebeu o Prêmio Carlos Gomes em 2002, como camerista e, em 2006, como solista. Estreou na Europa, em 1991, como solista da Orquestra de Câmara de Berlim, sendo aclamado como “grande intérprete de Mozart” pelo jornal Berliner Morgenpost. A partir de então, Cláudio Cruz tem sido convidado a atuar como solista e camerista em países como França, Itália, Alemanha, Áustria, Hungria, Croácia, Uruguai, Argentina, Chile, França e Estados Unidos. Em sua discografia constam gravações de obras de Henrique Oswald, Villa-Lobos, Alexandre Levy e Dora Pejacevi, além de obras compostas por Edino Krieger e Ronaldo Miranda; Carlos Gomes e Alberto Nepomuceno; três CDs com a Orquestra de Câmara Villa-Lobos; CDs com o Quarteto Amazônia, incluindo os quartetos de Villa-Lobos e Lorenzo Fernandez e o mais recente, com tangos de Piazzolla, ganhador do Grammy Latino em 2002. Em intensa atividade como maestro, foi regente titular da Sinfônica de Campinas –com a qual desenvolveu o trabalho de renovação artística, que inclui variadas temporadas sinfônicas, montagens de óperas, balés e gravação de um CD e um DVD– e diretor musical da Orquestra de Câmara Villa-Lobos. Regeu algumas das mais importantes orquestras brasileiras e, internacionalmente, a Sinfônica das Américas (Flórida/EUA), Metropole Orkest (Holanda), Orquestra de Câmara de Osaka (Japão), Sinfônica de Avignon (França), entre outras. Atualmente, é spalla da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, regente titular e administrador artístico da Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, além de integrar, como violista, o Quarteto Osesp, ao lado de Johannes Gramsch, Davi Graton e Emmanuele Baldini.


DATAS / LOCAIS E REPERTÓRIOS


PROGRAMA 2


05 NOV qua Aracaju, SE: Teatro Tobias Barreto – 21h00


14 NOV sex Belém, PA: Theatro da Paz – 21h00


JOHN NESCHLING regente


Cláudio Cruz violino



    M. CAMARGO GUARNIERI



    Encantamento



    Max BRUCH



    Concerto nº 1 para Violino em sol menor, Op.26



    Johannes BRAHMS



    Sinfonia nº 1 em dó menor, Op.68


CONCERTOS AO AR LIVRE


02 NOV dom Salvador, BA: Concha TCA – 17h00


07 NOV sex João Pessoa, PB: Praia do Tambaú – 20h00


09 NOV dom Fortaleza, CE: Parque do Cocó – 18h00


13 NOV qui São Luís, MA: Praça Maria Aragão – 19h00


15 NOV sáb Brasília, DF: Esplanada – 19h00


JOHN NESCHLING regente


Cláudio Cruz violino



    Mikhail GLINKA



    Russlan e Ludmila: Abertura



    Pyotr I. TCHAIKOVSKY



    Capricho italiano, Op.45



    Giuseppe VERDI



    A Força do Destino: Abertura



    Leonard BERNSTEIN



    Candide: Abertura



    Oscar LORENZO FERNANDEZ



    Reisado do Pastoreio: Batuque



    Cláudio SANTORO



    Frevo



    Johann STRAUSS Jr.



    O Morcego, Op.362: Abertura



    Maurice RAVEL



    Bolero



    Max BRUCH



    Concerto nº 1 para Violino em sol menor, Op.26: 3º movimento


PROGRAMA DE CÂMARA


01 NOV sáb Salvador, BA - Igreja da Sé - 18h00


08 NOV sáb Olinda, PE – Catedral da Sé - 11h00


CLÁUDIO CRUZ regente e violino


Antônio VIVALDI


As quatro Estações, Op.8


Astor PIAZZOLLA


As quatro Estações portenhas


(arranjo de Leonid Desyatnikov)


Osesp – Com 130 apresentações anuais em sua temporada de concertos, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp foi fundada pelo maestro Souza Lima em 1954 e durante 24 anos comandada por Eleazar de Carvalho. Desde 1997, tem a direção artística do maestro John Neschling. Sua sede é a Sala São Paulo (http://www.salasaopaulo.com.br/). Com uma programação abrangente – que mescla as grandes obras da literatura musical internacional com primeiras audições mundiais e compositores brasileiros –, a Osesp traz ao Brasil alguns dos mais importantes solistas e regentes da atualidade, dentre mais de 60 convidados a cada ano. Desde que foi implantado o sistema de assinaturas anuais, em 2000, o número de assinantes tem superado a temporada anterior. Com o apoio do Governo do Estado e da Secretaria de Estado da Cultura, John Neschling criou o Centro de Documentação Musical Maestro Eleazar de Carvalho, o Serviço de Assinaturas, a Coordenadoria de Programas Educacionais, o Serviço de Voluntários e a editora de partituras Criadores do Brasil. Também iniciou uma parceria com os selos BIS e Biscoito Fino para gravação de mais de 30 CDs. Em 2007, a Osesp foi premiada com o Grammy Latino.


Mais informações à imprensa: Jaci RosaCruz (79) 9992-0203


Na Osesp,Com Alexandre Félix e Desirée Furoni


( (11) 3367-9618/9587


http://www.osesp.art.br/ / imprensa@osesp.art.br





===



Prezadas (os) amigas (os)


O Fórum de Mídia Livre acaba de lançar o seu manifesto. O objetivo é
coletar assinaturas de dirigentes de entidades, intelectuais e
líderanças políticas. Na sequência, serão agendadas audiências com os
presidentes da República, do Senado, da Câmara dos Deputados e do STF.

A luta pela democratização da mídia é uma batalha estratégica. Por
favor, leia com atenção o texto abaixo e veja se você topa aderir ao
manifesto. Aguardo as críticas e, principalmente, as adesões.

Um grande abraço, Miro



Manifesto da Mídia Livre
Pelo fortalecimento da mídia livre, por políticas
públicas democráticas de comunicação e pela realização da Conferência
Nacional de Comunicação
Brasil, outubro de 2008.
O setor da comunicação no Brasil não reflete os avanços
que ao longo dos últimos trinta anos a sociedade brasileira garantiu
em outras áreas. Tal conjuntura é uma das responsáveis pelo não
crescimento democrático do país, impedindo que se torne socialmente
mais justo.

A democracia brasileira precisa de maior diversidade
informativa e de amplo direito à comunicação. Para que isso se torne
realidade, é necessário modificar a lógica que impera no setor e que
privilegia os interesses dos grandes grupos econômicos.

Não é mais possível aceitar que os movimentos sociais,
protagonistas de muitos dos nossos avanços democráticos, sejam
sistematicamente criminalizados - sem defesa, espaço ou meios para
responder -, pela quase totalidade dos grupos midiáticos comerciais.
Não se pode mais aceitar que, numa sociedade que se almeja
democrática, apenas as idéias e informações ligadas aos interesses
políticos e econômicos de pequenos grupos tenham expressão pública.
Tal cenário nega o direito de todas e todos a ter acesso ao
contraditório, violando o direito à informação dos cidadãos.

Um Estado democrático deve assegurar que os mais
distintos pontos de vista tenham expressão pública, situação tão
distante da realidade em nosso país. No Brasil, menos de uma dezena de
famílias controla a quase totalidade dos meios de comunicação, numa
prática explícita de monopólios e oligopólios - que seguem sendo
realidade, embora proibidos pela Constituição Federal.

Ainda segundo a Constituição, deve-se criar um amplo e
diversificado sistema público de comunicação, produzido pelo público,
para o público, com o público. Um sistema que ofereça à sociedade
informação jornalística e programação cultural-educativa para além da
lógica do mercado, sintonizadas às várias áreas do conhecimento e à
valorização da produção regional e independente.

Por fim, um Estado democrático precisa defender a
verdadeira liberdade de expressão e de acesso à informação, em toda
sua dimensão política e pública. Um avanço que acontece,
essencialmente, quando cidadãs e cidadãos, bem como os diversos grupos
sociais, têm condições de expressar suas opiniões, reflexões e
provocações de forma livre, e de alcançar, de modo equânime, toda a
variedade de pontos de vista que compõe o universo ideológico de uma
sociedade.

Para que essa luta democrática se fortaleça, apresentamos
a seguir propostas debatidas e aprovadas entre os cerca de 400
participantes do 1° Fórum de Mídia Livre, realizado na Universidade
Federal do Rio de Janeiro nos dias 14 e 15 de junho de 2008.

Ficam estabelecidos os seguintes compromissos:

1. Promover uma campanha e mobilização social pela
democratização das verbas publicitárias públicas, com a realização,
entre outras, das seguintes ações:

- Desenvolvimento, pelo Fórum de Mídia Livre e
organizações parceiras, de critérios democráticos e transparentes de
distribuição das verbas públicas que visem à democratização da
comunicação e que se efetivem como legislação e políticas públicas

- Proposta de revisão dos critérios e "parâmetros
técnicos de mídia" (tais como custo por mil etc.) utilizados pela
administração pública, de forma a combater os fundamentos
exclusivamente mercadológicos e viabilizar o acesso a veículos de
menor circulação ou sem verificação

2. Contribuir na promoção de outras políticas públicas
de incentivo à pluralidade e à diversidade por meio do fomento à
produção e à distribuição;

3. Cobrar do Executivo federal que convoque e dê
suporte à realização de uma Conferência Nacional de Comunicações nos
moldes das conferências de outros setores já realizadas no país.

4. Lutar pelo estabelecimento de políticas
democráticas de comunicação, na perspectiva de um novo marco
regulatório para o setor que inclua um novo processo de outorga das
concessões, a democratização e universalização da banda larga e a
adoção do padrão nacional nos sistemas brasileiros de TV e rádio
digital, além do fortalecimento das rádios comunitárias.

5. Criar uma ferramenta colaborativa que reúna
diversas iniciativas de mídia livre e contemple a diversidade de
atuação dos veículos e dos midialivristas, em formato a ser aprimorado
nos próximos meses pelo grupo de trabalho permanente e aprovado no
próximo Fórum de Mídia Livre;

6. Mapear as diversas iniciativas da mídia livre
visando o conhecimento sobre a realidade do setor e o reconhecimento
dos diversos fazedores de mídia;

7. Propor a implementação de pontos de mídia, como
política pública, integrados e articulados aos pontos de cultura,
veículos comunitários, escolas e ao desenvolvimento local,
viabilizando, por meio de infra-estrutura tecnológica e pública, a
produção, distribuição e difusão de mídia livre;

8. Buscar espaços para exibição de conteúdo produzido
por movimentos sociais na TV pública;

9. Incentivar a consolidação de redes de produtores de
mídia alternativa, a começar da comunicação interna (listas de
discussões) e externa (portal na web) dos próprios integrantes do
Fórum de Mídia Livre, que deve funcionar como rede flexível, difusa e
permanente;

10. Estimular a criação e fortalecimento de modelos de
gestão colaborativa das iniciativas e mídias, com organização
não-monetária do trabalho, por meio de sistemas de trocas de serviço.

Em função destes compromissos, nos propomos a:

l realizar encontros de mídia livre em todos os
estados brasileiros no segundo semestre de 2009;

l realizar um Fórum de Mídia Livre de alcance
Latino-Americano ou mundial em Belém, às vésperas do Fórum Social
Mundial, em janeiro de 2009;

l realizar no 2º semestre de 2009 o II FML Brasil,
com indicativo de Vitória (ES) como sede;

l somar-se às entidades de luta pela
democratização na luta por uma conferência ampla, democrática e
descentralizada, passando a integrar a Comissão Pró-Conferência
Nacional de Comunicação;

l envolver os movimentos sociais nas ações pelo
fortalecimento da mídia livre;

l agendar em âmbito federal, estadual e municipal
reuniões com o Poder Executivo, Legislativo e Judiciário para
apresentar as reivindicações tiradas no Fórum;

l criar o selo Mídia Livre para estar em todos os
veículos, blogues etc. que se identificam e reconhecem como mídia livre;

l realizar ato público de rua em Brasília, com
pauta e mobilização conjunta com outros movimentos da comunicação e
outros movimentos sociais, articulado com a entrega do manifesto aos
três poderes, como parte de semana de mobilização que contará também
com ações de guerrilha midiática e viral.

Fórum de Mídia Livre

===

aguardem o Jazz Club:




===
poesia


Clarice Lispector





Mas há a vida


Mas há a vida
que é para ser
intensamente vivida,
há o amor.
Que tem que ser vivido
até a última gota.
Sem nenhum medo.
Não mata.

Nenhum comentário:

Postar um comentário