7 de maio de 2013

Arte e Cultura em Aracaju - 7 a 13 de Maio de 2013

poesia


Fernando Pessoa



Opiário 
  
                                             Ao Senhor Mário de Sá-Carneiro


                             É antes do ópio que a minh'alma é doente. 
                             Sentir a vida convalesce e estiola 
                             E eu vou buscar ao ópio que consola 
                             Um Oriente ao oriente do Oriente.

                             Esta vida de bordo há-de matar-me. 
                             São dias só de febre na cabeça 
                             E, por mais que procure até que adoeça, 
                             já não encontro a mola pra adaptar-me.

                             Em paradoxo e incompetência astral 
                             Eu vivo a vincos de ouro a minha vida, 
                             Onda onde o pundonor é uma descida 
                             E os próprios gozos gânglios do meu mal.

                             É por um mecanismo de desastres, 
                             Uma engrenagem com volantes falsos, 
                             Que passo entre visões de cadafalsos 
                             Num jardim onde há flores no ar, sem hastes.

                             Vou cambaleando através do lavor 
                             Duma vida-interior de renda e laca. 
                             Tenho a impressão de ter em casa a faca 
                             Com que foi degolado o Precursor.

                             Ando expiando um crime numa mala, 
                             Que um avô meu cometeu por requinte. 
                             Tenho os nervos na forca, vinte a vinte, 
                             E caí no ópio como numa vala.

                             Ao toque adormecido da morfina 
                             Perco-me em transparências latejantes 
                             E numa noite cheia de brilhantes, 
                             Ergue-se a lua como a minha Sina.

                             Eu, que fui sempre um mau estudante, agora 
                             Não faço mais que ver o navio ir 
                             Pelo canal de Suez a conduzir 
                             A minha vida, cânfora na aurora.

                             Perdi os dias que já aproveitara. 
                             Trabalhei para ter só o cansaço 
                             Que é hoje em mim uma espécie de braço 
                             Que ao meu pescoço me sufoca e ampara.

                             E fui criança como toda a gente. 
                             Nasci numa província portuguesa 
                             E tenho conhecido gente inglesa 
                             Que diz que eu sei inglês perfeitamente.

                             Gostava de ter poemas e novelas 
                             Publicados por Plon e no Mercure, 
                             Mas é impossível que esta vida dure. 
                             Se nesta viagem nem houve procelas!

                             A vida a bordo é uma coisa triste, 
                             Embora a gente se divirta às vezes. 
                             Falo com alemães, suecos e ingleses 
                             E a minha mágoa de viver persiste.

                             Eu acho que não vale a pena ter 
                             Ido ao Oriente e visto a índia e a China. 
                             A terra é semelhante e pequenina 
                             E há só uma maneira de viver.

                             Por isso eu tomo ópio. É um remédio 
                             Sou um convalescente do Momento. 
                             Moro no rés-do-chão do pensamento 
                             E ver passar a Vida faz-me tédio.

                             Fumo.  Canso.  Ah uma terra aonde, enfim, 
                             Muito a leste não fosse o oeste já! 
                             Pra que fui visitar a Índia que há 
                             Se não há Índia senão a alma em mim?

                             Sou desgraçado por meu morgadio. 
                             Os ciganos roubaram minha Sorte. 
                             Talvez nem mesmo encontre ao pé da morte 
                             Um lugar que me abrigue do meu frio.

                             Eu fingi que estudei engenharia. 
                             Vivi na Escócia.  Visitei a Irlanda. 
                             Meu coração é uma avòzinha que anda 
                             Pedindo esmola às portas da Alegria.

                             Não chegues a Port-Said, navio de ferro! 
                             Volta à direita, nem eu sei para onde. 
                             Passo os dias no smokink-room com o conde - 
                             Um escroc francês, conde de fim de enterro.

                             Volto à Europa descontente, e em sortes 
                             De vir a ser um poeta sonambólico. 
                             Eu sou monárquico mas não católico 
                             E gostava de ser as coisas fortes.

                             Gostava de ter crenças e dinheiro, 
                             Ser vária gente insípida que vi. 
                             Hoje, afinal, não sou senão, aqui, 
                             Num navio qualquer um passageiro.

                             Não tenho personalidade alguma. 
                             É mais notado que eu esse criado 
                             De bordo que tem um belo modo alçado 
                             De laird escocês há dias em jejum.

                             Não posso estar em parte alguma. 
                             A minha Pátria é onde não estou. 
                             Sou doente e fraco. 
                             O comissário de bordo é velhaco. 
                             Viu-me co'a sueca...  e o resto ele adivinha.

                             Um dia faço escândalo cá a bordo, 
                             Só para dar que falar de mim aos mais. 
                             Não posso com a vida, e acho fatais 
                             As iras com que às vezes me debordo.

                             Levo o dia a fumar, a beber coisas, 
                             Drogas americanas que entontecem, 
                             E eu já tão bêbado sem nada!  Dessem 
                             Melhor cérebro aos meus nervos como rosas.

                             Escrevo estas linhas.  Parece impossível 
                             Que mesmo ao ter talento eu mal o sinta! 
                             O fato é que esta vida é uma quinta 
                             Onde se aborrece uma alma sensível.

                             Os ingleses são feitos pra existir. 
                             Não há gente como esta pra estar feita 
                             Com a Tranqüilidade.  A gente deita 
                             Um vintém e sai um deles a sorrir.

                             Pertenço a um gênero de portugueses 
                             Que depois de estar a Índia descoberta 
                             Ficaram sem trabalho.  A morte é certa. 
                             Tenho pensado nisto muitas vezes.

                             Leve o diabo a vida e a gente tê-la! 
                             Nem leio o livro à minha cabeceira. 
                             Enoja-me o Oriente. É uma esteira 
                             Que a gente enrola e deixa de ser bela.

                             Caio no ópio por força.  Lá querer 
                             Que eu leve a limpo uma vida destas 
                             Não se pode exigir.  Almas honestas 
                             Com horas pra dormir e pra comer,

                             Que um raio as parta!  E isto afinal é inveja. 
                             Porque estes nervos são a minha morte. 
                             Não haver um navio que me transporte 
                             Para onde eu nada queira que o não veja!

                             Ora!  Eu cansava-me o mesmo modo. 
                             Qu'ria outro ópio mais forte pra ir de ali 
                             Para sonhos que dessem cabo de mim 
                             E pregassem comigo nalgum lodo.

                             Febre!  Se isto que tenho não é febre, 
                             Não sei como é que se tem febre e sente. 
                             O fato essencial é que estou doente. 
                             Está corrida, amigos, esta lebre.

                             Veio a noite.  Tocou já a primeira 
                             Corneta, pra vestir para o jantar. 
                             Vida social por cima!  Isso!  E marchar 
                             Até que a gente saia pla coleira!

                             Porque isto acaba mal e há-de haver 
                             (Olá!) sangue e um revólver lá pró fim 
                             Deste desassossego que há em mim 
                             E não há forma de se resolver.

                             E quem me olhar, há-de-me achar banal, 
                             A mim e à minha vida... Ora! um rapaz... 
                             O meu próprio monóculo me faz 
                             Pertencer a um tipo universal.

                             Ah quanta alma viverá, que ande metida 
                             Assim como eu na Linha, e como eu mística! 
                             Quantos sob a casaca característica 
                             Não terão como eu o horror à vida?

                             Se ao menos eu por fora fosse tão 
                             Interessante como sou por dentro! 
                             Vou no Maelstrom, cada vez mais pró centro. 
                             Não fazer nada é a minha perdição.

                             Um inútil.  Mas é tão justo sê-lo! 
                             Pudesse a gente desprezar os outros 
                             E, ainda que co'os cotovelos rotos, 
                             Ser herói, doido, amaldiçoado ou belo!

                             Tenho vontade de levar as mãos 
                             À boca e morder nelas fundo e a mal. 
                             Era uma ocupação original 
                             E distraía os outros, os tais sãos.

                             O absurdo, como uma flor da tal Índia 
                             Que não vim encontrar na Índia, nasce 
                             No meu cérebro farto de cansar-se. 
                             A minha vida mude-a Deus ou finde-a ...

                             Deixe-me estar aqui, nesta cadeira, 
                             Até virem meter-me no caixão. 
                             Nasci pra mandarim de condição, 
                             Mas falta-me o sossego, o chá e a esteira.

                             Ah que bom que era ir daqui de caída 
                             Pra cova por um alçapão de estouro! 
                             A vida sabe-me a tabaco louro. 
                             Nunca fiz mais do que fumar a vida.

                             E afinal o que quero é fé, é calma, 
                             E não ter estas sensações confusas. 
                             Deus que acabe com isto!  Abra as eclusas — 
                             E basta de comédias na minh'alma!

                                (No Canal de Suez, a bordo)


--


Fonte: http://www.tanto.com.br/fernandopessoa-opiario.htm

==


TODOS OS SÁBADOS
Das 21 às 22h00, na sintonia da  Aperipê FM 104,9 para todo Sergipe, e para o resto do mundo pelo www.ideastek.net/aperipefm/

F A C E BOOK https://www.facebook.com/redelocal?fref=ts


==

5º FAM e SesCanção 2013 abrem as inscrições!



"Tire suas músicas da gaveta e mostre ao mundo! Estão abertas, a partir de amanhã, terça-feira, 23 de abril, as inscrições para o V Festival de Música da Aperipê, promovido pela Fundação Aperipê em parceria com a Associação das Rádios Públicas do Brasil (ARPUB).

Mais informações no site http://www.aperipe.com.br/


E O 






O Sesc abre nessa segunda-feira, 29/04, as inscrições para a 14ª edição da Mostra Sergipana de Música – Sescanção. O regulamento e o formulário estão disponíveis no www.sesc-se.com.br/sescancao .

O Sescanção - grande encontro da música sergipana - acontecerá dia 31 de outubro, no Teatro Atheneu - palco de apresentação das 14 músicas selecionadas previamente para a Mostra.

Inscrição:
Sesc Centro – Rua Dom José Thomaz, 235
Casa do Artista – Calçadão da Rua Laranjeiras

Mais informações: 3216-2726 / contato@sesc-se.com.br



== 


programação completa...



.  T  E  R  Ç  A  -  0  7  .


Iniciou ontem com o grupo BRASILEIRÍSSIMO o Circuito SESC de Música de 2013

topo-site_02
PROGRAMAÇÃO COMPLETA AQUI


A programação para esta semana é:


07/ maio (ter) | 15h – ALBERTO SILVEIRA (Sesc Socorro)
08/ maio (qua) | 18h – MÚSICA ANTIGA RENANTIQUE (Shopping Riomar)
09/ maio (qui) | 19h – COUTTO ORCHESTRA (Café da Gente/ Museu da Gente Sergipana)
10/ maio (sex) | 19h – CASA FORTE (Sesc Ler/ Indiaroba)
11/ maio (sáb) | 19h – ORQ. VALE DO COTINGUIBA (Sesc Mesa Brasil – Auditório da UFS/ Itabaiana)*


Informações:
Fábio Oliveira - Técnico em Música do Sesc
79 3216.2726



==



No Café da Gente Exposição Fotográfica "EMBLEMÁTICO SERTÃO", do fotógrafo Nailson Moura



Nordestino, sertanejo, beradeiro, nascido às margens do Velho Chico, no alto sertão sergipano, na pequena e bela cidade de GARARU, Nailson Moura tem conciliado há pouco mais de quatro anos o seu trabalho diário na Petrobras com a fotografia.

Com um trabalho baseado em duas obras consagradas da literatura nacional, os livros Vidas Secas, de Graciliano Ramos, e Os Sertões, de Euclides da Cunha, com recursos próprios, tem viajado pelos sertões do nordeste procurando registrar o homem, a terra e como ele sobrevive nesse ambiente.


==


.  Q  U  A  R  T  A  -  0 8  .


Café Cultural na 2ª fase da expo MARÉS




A partir do dia 8 de Maio será iniciada a segunda fase da expo, com os temas ‘Ressaca’ e ‘Maresia’. Novas imagens, novas cores, novos sons: Zé Peixe. Esperamos novamente tentar tirar você do lugar, o centímetro que seja. E que a singularidade da alma do nosso grande homem sergipano se torne eterna.
Agradecemos primeiramente à família de Peixe, que nos abriu as portas da casa para pesquisa,ao Sesc, em especial a Vanderleia Cardoso pela paciência, e aos patrocinadores que tiveram total confiança no projeto e não titubearam em suar as mãos na concretização do projeto.
E é andando que estamos, e assim que será.
Obrigado a todos
Trotamundos Coletivo



==



.  Q  U  I  N  T  A  -  0 9  .


Circuito SESC de Música



==




LARANJEIRAS, ARACAJU, CARMÓPOLIS e RIACHUELO

recebem a PALHAÇA CARMELA!


Contemplado com o incentivo fiscal da Lei Rouanet, do Ministério da Cultura, por meio do Programa Petrobras Cultural, o espetáculo ‘Retalhos Populares’ aporta em Sergipe no mês de maio, com o intuito de levar arte e humor às populações das cidades de Riachuelo, Carmópolis, Laranjeiras e Aracaju. Um mergulho no mundo mágico de nuances dourados e fitas coloridas, lotado de malas transportadas numa Kombi: morada da palhaça Carmelaa, cenário do espetáculo. 

O projeto também oferece oficinas de jogos teatrais e palhaço destinadas as crianças das comunidades escolhidas e busca o diálogo poético inspirado em tons, sons, sabores, cheiros e gestualidades de quatro manifestações folclóricas sergipanas: Bacamarteiros, de Aguada (Carmópolis), São Gonçalo, da Mussuca (Laranjeiras), Samba de Coco, do Mosqueiro (Aracaju) e o Cacumbi Mirim (Riachuelo). Tudo registrado, fotografado e poetizado no site oficial do projeto: www.retalhospopulares.org.

Escolha uma cidade para nos assistir! Esperamos vocês com brincadeiras carregadas de muito riso; daquelas que pintam rostos e vestem a alma de alegria.

Programação das oficinas e apresentações nos municípios:

RIACHUELO
Oficina: 09/05, das 9h às 11h – Inscrição na Secretaria Municipal de Cultura
Espetáculo: 09/05, às 19h – Praça Coronel Antônio Franco

CARMÓPOLIS
Oficina: 11/05, das 9h às 11h – Escola Municipal Dom Pedro I
Espetáculo: 11/05, às 19h, na Praça da Igreja

LARANJEIRAS
Oficina (Mussuca): 19/05, das 9h às 11h - Escola Municipal Prefeito José M. Sobral
Espetáculo (Centro Histórico): 19h – Praça da Matriz

ARACAJU
Oficina (Mosqueiro): 25/05, das 9h às 11h – Inscrições na Associação dos Moradores
Espetáculo: 25/05, às 19h - Orla Pôr-do-Sol

Contatos:

Assessoria de Imprensa:
Juliana Sobral – (79) 9991 9611
julianas.sobral@gmail.com

Iris Fiorelli - (79) 9974 4358 | (11) 9539 20349
irisfio@yahoo.es



==




PROGRAMAÇÃO

Quinta-feira 
20h - O Natimorto (Grupo Caixa Cênica) [ESTREIA EM MAIO]
da obra de Lorenço Mutrelli 

Sexta-feira 
19h- Na hora H (Grupo Êxtase)
21h- O Coiote (Cia. de Teatro Stultifera Navis)

Sábado 
20h- A Lição (Cia. de Teatro Stultifera Navis)
21h- C(S)em Nelson! (Cia. de Teatro Stultifera Navis)

Domingo
17h- Faz de conta (Companhia Ponto de Teatro)


==


.  S  E  X  T  A  -  1 0  .



A  G  E  N  D  A  do  C  H  O  R  O

Aracaju

Mudamos AGENDA do CHORO para sexta devido à temporada de choro que está no segundo mês caminhando para o terceiro mês muito bem obrigado. Junta-se ao Bar do Inácio e ao Recanto do Chorinho, ambos com apresentações aos sábados e domingos, o Café da Gente, localizado no Museu da Gente Sergipana, com temporadas mensais de apresentações. 

Aqui nesta AGENDA, indicamos onde você pode encontrar chorinho ao vivo ou ao rádio, em Aracaju. Quem souber de alterações ou de novos lugares, grupos ou programas, por favor me informe. A intenção é fomentar público para esse gênero musical que quanto mais ouço mais aprecio.

André Teixeira



TEMPORADA DE CHORINHO NO CAFÉ DA GENTE COM 

GRUPO BRASILEIRÍSSIMO




==


Renovação do Choro
Bar Chorinho do Inácio


sábados e domingos, 16 às 21h00

ONDE: Rua Canadá, 343 - B. Novo Paraíso (é uma transversal da Rua Rio Grande do Sul, próximo à COHIDRO).


Contato: Inácio 79 9136-1803      

Couvert R$ 5,00


=


Regional Recanto do Chorinho




LOCAL:
Bar Recanto do Chorinho

Chorinho aos sábados e domingos

Sábado -- 15 às 18h

Domingos -- das 17 às 20h00 (PONTUALMENTE) Das 20h30 até 00h00 tem o som da Lenny Hall - música romântica)

Além da boa música, a casa serve bebidas, refeições e petiscos para todos os gostos. Fica localizado no Parque da Cidade. Veja algumas fotos do Parque.

Convert R$ 10,00


==


.  C  H  O  R  O  no  R  Á  D  I  O  .


APERIPÊ AM




Apresentado por Sérgio Thadeu, o programa, criado por seu pai em setembro de 1985, é uma verdadeira celebração ao Choro, buscando sempre apresentar novidades ou resgatar clássicos do fundo do baú. Um verdadeiro banquete pra quem gosta do ótimo Choro! Vai ao ar todos os domingos das 7 às 9h00, Transmitindo pela sintonia da Aperipê AM 630 e pela internet no site  http://www.ideastek.net/aperipeam/



Contato: Sérgio Tadeu



domingonoclube@gmail.com


=


APERIPÊ FM - Programa Choros e Canções: Apresentado por Ricardo Gama, o programa Choros e Canções vai ao ar na Aperipê FM sempre às 18h00, de segunda à sexta. 

CHORINHO AO VIVO quinzenalmente no programa!

Uma novidade no Choros e Canções é a transmissão ao vivo do quadro quinzenal RODA de CHORO, com o grupo Brasileiríssimo se apresentando ao vivo!

Transmitindo pela sintonia 104,9 e pela internet no site http://www.ideastek.net/aperipefm/





Contato: chorosecancoes@aperipe.se.gov.br


==


Em Nossa Srª da Glória




==


Clássicos ao piano com Manuel Vieira Jr.


O pianista Manoel Vieira Jr. toca clássicos em seu teclado a partir das 21h00.

Local: Restaurante Armazem Bacco. 



Couvert artistico - R$ 5



==



Sextas e Sábados





Saindo do habitual som de barzinho, Mário João e Paulinho Araújo se misturam entre instrumentos e vozes trazendo músicas que viajam desde o rock ao baião, do samba a milonga e da bossa-nova ao folk. Sextas e Sábados na Villa Madre Pizzaria que fica entre o Di Vino e a Pandoro na rua Professor Antônio Fagundes de Melo, 156, Treze de Julho.


==




REPERTÓRIO
1- Marcha Imperial - Star Wars – J. Williams
2- Abertura Orfeu no Inferno – J. Offenbach
3- Dança do Sabre – A. Katchaturian
4- Salve Regina - E. Lobo de Mesquita
5- Missa Criolla – Gloria – A. Ramirez
Solistas: Paulo Marcelo
Ailsson Santos
6- Requiem Dies Irae – G. Verdi
7- Marcha da Ópera Aida – G. Verdi
8- Heart of Courage – T. Bergersen
9- Game of Thrones – R. Djawadi
10- Aquarela do Brasil – A. Barroso
11- Eleanor Rigby Beatles - Lennon/McCartney 
12- Bohemian Rhapsody Queen – Freddie Mercury
Solistas: Emmanuel Cabral , Dian Lucas
Paulo Marcelo, Ailsson Santos
César Ribeiro - Guitarra

Coro da UFS - CORUFS
Orquestra Sinfônica da UFS – OSUFS
Regente: Ion Bressan



==





Vibrações

e

Dreamzion

Tocam BOB MARLEY + Musicas Autorais

Ingressos: Inquérito Jardins 3232-1128

100 mulheres Free ate 23H



==


Urublues no BROTHER'S!!!




BROTHER'S CLUB FICA NA PRIMEIRA RUA À DIREITA APÓS A LOJA ÂNCORA MATERIAL DE CONSTRUÇÕES (ESTA QUE FICA NA RODOVIA DOS NÁUGRAGOS 4598)


==



.  S  Á  B  A  D  O  -  1 1  .




TEATRO

Estréia - O Natimorto - Um Musical Silencioso




"Me aninho feito um cachorrinho.
Ela sorri.
Ela canta.
Eu assisto.
Todo o meu corpo se arrepia.
Engulo umas lágrimas.
A letargia é crescente e adormeço."

(Lourenço Mutarelli)

Dia 11 de maio (sábado) ás 21h na Casa Rua da Cultura estreia o espetáculo "O Natimorto" com o Grupo Teatral Caixa Cênica e direção de Diane Veloso
o espetáculo ficará em temporada, após a estréia, todas as quintas no mesmo local.

“O Natimorto”, obra de Lourenço Mutarelli, é um prenúncio ou uma anunciação irremediável, que aponta para uma contraditória relação humana, envolvendo negação e obsessão. É o apelido que dá à imagem do bebê entubado propagandeada pelo Ministério da Saúde brasileiro em carteiras de cigarro, advertindo que “Fumar causa mal à saúde e mata”. 
Ganhador do edital Myriam Muniz de teatro 2011, o Grupo Caixa Cênica, nessa nova montagem, segue uma linha de pesquisa que se dedica a fortalecer o processo criativo através de elementos interdisciplinares, o grupo envolve aspectos da urbanidade, investiga mais uma vez o expressionismo nas artes buscando uma linguagem que possa dialogar com um tema, forte, complexo e urgente .



Valorizando a composição das personagens, característica chave da companhia desde sua formação, como também realçando a construção visual da cena, com foco na iluminação e na proposição de imagens relacionadas aos aspectos intangíveis sugeridos pelo texto: a fumaça e a deterioração do tempo.
Com apenas uma montagem teatral registrada, o texto “O Natimorto” é bastante atual e representativo de uma descrença nas relações humanas e na vida, simbolizada pela negação da convivência em sociedade concretizada pelo Agente e é um excelente representante de uma categoria ainda pouca explorada no teatro, o suspense.

Direção: Diane Velôso
Concepção e Direção: Diane Veloso e Maicyra Leão
Realização: Grupo Caixa Cênica
Dramaturgia: Lourenço Mutarelli
Atuação: Diane Veloso e Thiago Marques 
Produção: Leila Magalhães 
Coordenação Técnica: Denver Paraizo
Iluminação: Sérgio Robson 
Trilha original e sonoplastia: Alex Santana, Alisson Couto e Leo Airplane
Figurino: Isabele Ribeiro
Cenário: Denver Paraizo, Fábio Sampaio e Diane Velôso 
Maquiagem: Diane Velôso
Design Gráfico: Thiago Macêdo
Assessoria de Imprensa: Manoela Velôso
Vídeos: Gabriela Caldas e Sérgio Robson
Edição de Vídeo: Lu Silva
Fotografia: Victor Balde




==





Inauguração do mais novo espaço de diversão da cidade! 

Localizado ao lado do conhecido Bar Paraty, na Rodovia José Sarney, o Espaço Praia Serigy conta com uma estrutura à beira mar para Shows e Eventos em geral que só nós temos a oferecer!

Para darmos o pontapé inicial a este novo conceito de eventos a beira mar, temos o prazer e satisfação de ter como atrações as bandas:

---THE BAGGIOS
---MAMUTES
---KARNE KRUA
---NAURÊA
---DJ. GESSANA SHAKTI

Estrutura Física:
-BAR
-BANHEIROS QUIMICOS
-SEGURANÇA
-COBERTURA CONTRA CHUVA
-SOM, PALCO E ILUMINAÇÃO DE PRIMEIRA QUALIDADE
-GENTE BONITA E DIVERSÃO PARA TODAS AS TRIBOS

INGRESSOS NA VENICE SKAT SHOP!
CARTAZ PROVISÓRIO.
## R$15 ANTECIPADO NA VENICE E FREEDON
## R$20 NA PORTA

BATE VOLTA: 
SAÍDA AS 20H TERMINAL D.I.A.---ARAUANA: R$25,00 c/ ingresso incluso!

COMPRAS PELA INTERNET:
ENVIAR E-MAIL PARA praiaserigy@hotmail.com
Com nome completo, RG, telefone, 
Opção de:
Ingresso antecipado PAGSEGURO--- R$15 
ou
Ingresso com Bate-Volta--- R$25



==





Agora é a vez da banda Lêmures invadir o Saloon (bar mais rock n' roll de Aracaju), com o melhor do seu repertório autoral. E para fechar a noite, o melhor do Classic Rock com a banda VOX.
__________________________________________
Quando: dia 11 de Maio
Hora: 22H
Onde : Bar Saloon , Av Heraclito Rolemberg,4950, conjunto Augusto Franco, em frente ao posto 14 bis.
Couvert: FREE

Fan Page da banda Lêmures: https://www.facebook.com/LemuresOficial
Ouça: https://www.facebook.com/LemuresOficial/app_131686150237656
Vox: https://www.facebook.com/voxclassicrock?ref=ts&fref=ts



Sobre a banda:

A banda Lêmures é a fusão de diversos ritmos que transpassam pelo rock, blues, jazz, funk, bossa nova, country, reggae, desembocando na liberdade criativa que originalmente faz parte da identidade musical dos componentes. Formada por Igor Bacelar e Allyson Thierry nas guitarras, Angelo Linhares na bateria, Neyzinho no baixo e Josué Felipe Maia no vocal, a banda procura musicar poesias por vezes críticas, regadas pela irreverência e texturas diferenciadas.

Com estilo próprio, a Lêmures passou a ganhar reconhecimento do público, quando em 2011 foi escolhida como a melhor banda de um dos mais importantes festivais de música do estado de Sergipe – Festival Aperipê de Música ( eliminatória para o festival nacional da ARPUB ) - . Na ocasião, a banda ganhou os prêmios de “Melhor música com letra” e “Melhor intérprete vocal” com a composição “Aos Teus Poréns”.

Essa mesma música dá título ao primeiro EP da banda lançado virtualmente em 2012 paralelamente à participação na “Coletânea Arretada” de artistas nordestinos, promovida pelo Melody Box, com divulgação em todo o território nacional.

De lá pra cá outras conquistas fizeram parte do histórico da banda, como a classificação para semifinalista no Festival Intercultural da América do Sul e, premiação com um clipe gravado na Lapa pelo coletivo Zamus do RJ.

No momento, entre shows e outros caminhos, a Lêmures prepara novo material com composições influenciadas pela nova essência da banda após quase 2 anos de existência.


==




“SERGIPE MARLEY” é a homenagem das bandas sergipanas de reggae, Ato Libertário, Lu Lion, Missionários, Oganjah e os convidados, Guigó (Sisal Roots), Denys Benn (Vendaval - SNE), Vj Rasta, Plebeu Jaó (Guerreiros Revolucionários), Tamara (Dream Zion), ao grande mestre Marley, que neste dia completa 32 anos de sua ausência física, mas sua presença sonora é constante.



Compartilhe conosco essa energia!


==





A Casa Cultiva convida a todos 
para mais uma noite de Rock!

Data : 11/05 Sábado
Horário : A partir das 22:00H
Bandas Covers:
Nirvana 
Pitty 
Raimundos
CPM 22
Korn
Capital Inicial e muito mais ...Valor da Entrada : 10,00 R$



==




Alejandro Habib toca clássicos do jazz a partir das 21h00

Local: Restaurante do Armazem Bacco. 

Couvert artistico - R$ 5



==




.  D o m i n g o ,  1 2  .



==




.  S e g u n d a ,  1 3  .




:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


.  PRÓXIMAS ATIVIDADES...

==


LIVRO DE POESIAS


Poe-mails ou poemeio


Este livro nasceu da mesma forma que os poemas que lhe dão corpo e alma: do acaso do olhar encontrar e tentar registrar o belo com essa máquina de fotografar sentimento que é a linguagem. Utilizei como processo de escrita não ter um processo de escrita. O norte maior foi sempre o sentir dessa relação com a provocante Beleza, onde quer que Ela  se manifestasse: numa palavra ou comentário, numa pintura ou foto, numa   música, no silêncio ou até mesmo no vazio pós tudo. Foi escrito entre os anos de 2007 e 2010, utilizando como suporte o meio ambiente digital.


LEIA MAIS AQUI]



[AQUI, entrevista concedida ao jornalista Rian Santos em seu blog Spleen e Charutos,sobre o livro 'poe-mails' 



O livro está registrado sob licença Creative Commons 3.0. Significa que ele pode ser copiado e distribuído desde que sem finalidade comercial. Além disso pode ser modificado e redistribuído.

Saiba mais em http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/legalcode

:::::::::::::::::::::::::::::::

Nenhum comentário:

Postar um comentário